Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

23/03/2021

# Dica de Leitura # 265

Título: Roverando
Autor: J.R.R Tolkien
Número de páginas: 160
Ano: 2021
Editora: HarperCollins

* Exemplar cedido pela editora.

"A gente nunca sabe o que vai acontecer em seguida, depois que se mete com os magos e seus amigos."

Que Tolkien é um exímio contador de histórias não é segredo para ninguém, mas você sabia que o autor de O Hobbit e O Senhor dos Anéis também escreveu histórias infantis? Elas nasceram dos contos que ele inventava para seus quatro filhos, e Roverando foi criado especialmente para consolar o pequeno Michael, de 4 anos, que certo dia perdeu seu brinquedo favorito, um cachorrinho de plástico preto e branco, na praia.

Em um dos seus textos mais tocantes, Tolkien se supera na sensibilidade e cria uma narrativa extremamente encantadora para explicar ao filho que o cachorrinho não havia se perdido, e sim feito uma grande viagem!

Vagando entre a origem do brinquedo (que na verdade era um filhotinho de cachorro preto e branco que brincava no jardim de sua casa com sua bola amarela, quando foi transformado em um brinquedo por um mago vingativo e mal-humorado e levado para a vitrine de uma loja, onde é comprado pela Sra Tolkien para seu filho de 4 anos, Michael, que sempre foi apaixonado por cães) e as aventuras fantasiosas (como a ida de Rover à Lua e ao Fundo do Mar, graças à ajuda de um outro mago, chamado Psamatos Psamatides), o autor cria um universo que, além de confortar, maravilha seu pequeno filho, e é claro, nós, leitores, independentemente da idade.

Na edição em inglês, o livro recebe o título de #roverandom, uma mistura de Rover (nome do cachorrinho, que significa algo como "andarilho") e Random (casual, sem rumo), e apesar de sofrer alterações na edição brasileira, a tradutora Rosana Rios conseguiu manter o sentido pretendido pelo autor, já que o personagem anda muito e sem rumo.

Com capa estilo soft touch e ilustrações do próprio autor, a @harpercollinsbrasil caprichou nesta edição, deixando-a em um tamanho menorzinho para que as crianças tenham uma experiência de leitura diferenciada e especial, não prejudicando em nada a diagramação do livro como um todo, pelo contrário; o tamanho da fonte é super confortável e a leitura é extremamente rápida, o que para as crianças é uma grande conquista, já que acabam se sentindo mais motivadas quantitativamente e acabam valorizando ainda mais o processo. 

Já havia lido Sr. Bliss (Sr. Boaventura), que também é uma obra infantil do autor, e cada vez me sinto mais maravilhada pela sua capacidade de criar universos diferentes, fantasiosos e apaixonantes ao mesmo tempo em que exerce com extrema sensibilidade o título tão merecido de pai. Por isso, repasse o legado. Leia Tolkien com as crianças!

CLASSIFICAÇÃO: 

MUITO BOM



18/03/2021

# Dica de Leitura # 264

Título: O Rei Leão
Autor: Disney
Número de páginas: 56
Ano: 2019
Editora: Pixel

Na savana africana, o nascimento do príncipe leão, Simba, é celebrado por (quase) todo o reino. Eu digo "quase" porque quem não gostou nadinha da chegada do herdeiro foi Scar, tio do filhote e irmão do rei Mufasa.

Invejoso e diabólico, Scar não medirá esforços para atingir seu principal objetivo: assumir o trono, mesmo que para isso ele precise tirar sua própria família do caminho. E, assim, ele acaba atraindo o irmão e o sobrinho para uma terrível emboscada que resulta na morte de Mufasa e na fuga de Simba.

Desnorteado, triste, confuso, com medo e completamente exausto depois de tanto caminhar, Simba acaba conhecendo por acaso o suricato Timão e seu companheiro inseparável, o javali Pumba, e aí nasce uma grande e verdadeira amizade. Simba cresce com eles na selva, vivendo uma vida despreocupada, guiado pelo lema "Hakuna Matata". Mas um reencontro inesperado e as verdadeiras amizades ajudarão Simba na jornada rumo ao lugar que é seu por direito no ciclo da vida.

Lançado em 1994 e dono de uma das maiores bilheterias de todos os tempos, "O Rei Leão" é um clássico que encanta gerações seja pelo enredo, pela animação, pela música e, principalmente, pelas reflexões e toda a crítica que a obra nos traz. Poder revisitar a história que mais marcou a minha infância através do exímio trabalho realizado pela Editora Pixel foi maravilhosamente nostálgico! Por meio desta HQ muito bem delineada e ilustrada com maestria, revivi cada momento dessa história que, mais uma vez, me arrancou lágrimas.

Essa edição de capa dura é uma obra cuidadosamente criada para os fãs de "O Rei Leão" e uma excelente dica de leitura para as crianças que estão ingressando no mundo da leitura. Um diferencial incrível e que me chamou muito a atenção é que existe uma parte do livro dedicada para a apresentação dos personagens, o que facilita a compreensão de quem está lendo uma das histórias mais lindas que tive a honra de conhecer pela primeira vez. Recomendadíssimo!

Agora me conta: você também gosta de O Rei Leão? Curte HQ?

CLASSIFICAÇÃO: 
ÓTIMO!




26/02/2021

# Dica de Leitura # 263

Título: As aventuras do Pinocchio
Autor: Carlo Collodi
Número de páginas: 224
Ano: 2020
Publicado por: Instituto Mojo

* Exemplar cedido em parceria.

Quem não conhece a história do boneco de madeira que sonha em se tornar um menino de verdade e que quando mente o seu nariz cresce? Certamente em algum momento você já se deparou com alguma das adaptações literárias e/ou cinematográficas de uma das histórias mais lidas, contadas e recontadas do mundo. Mas você sabia que esse clássico foi publicado pela primeira vez em 1883 pelo italiano Carlo Collodi?

Apesar de amar a adaptação da Disney com todas as minhas forças, ler esta edição na íntegra, cuja tradução é a mais fiel possível à original e na qual o @institutomojo traz ilustrações inéditas e artigos de opinião de famosos críticos literários italianos, sem dúvida enriqueceu ainda mais a minha experiência de leitura e superou, de maneira excepcional, todas as minhas expectativas, tanto é que só agora percebi toda a crítica e a complexidade que há nesta obra: além de uma infinidade de lições morais e éticas para as crianças, é também um tapa na cara de muitos adultos.

Na versão original, o solitário e simples Geppetto ganha de um colega de ofício um pedaço de madeira falante. Seus planos? Dar vida a uma marionete e viajar pelo mundo com sua atração em busca de alguns trocados. Mas o que o velho marceneiro sequer poderia imaginar é que Pinocchio nem bem estaria finalizado e já começaria a aprontar das suas. Desobediente, folgado e mentiroso, o boneco se mete em uma encrenca atrás da outra, movido pelo impulso ou pela simples tentação de parecer mais fácil. É assim que vive as mais diversas aventuras e desventuras, se deixando levar pela sua ingenuidade e falta de discernimento, ignorando os valiosos conselhos de Geppetto, do Grilo Falante e da Fada de cabelos azul-turquesa e, aprendendo, da pior forma possível, que só a vida ensina a viver. Certamente, Pinocchio é o boneco de madeira mais humano que já conheci; ele prefere pagar para ver e sempre se dá mal, mas essa imperfeição aliada à constante busca de se tornar alguém melhor, talvez seja, justamente, o que tem encantado gerações, pois esta envolvente fábula da vida entre o bem e o mal dialoga profundamente com nossas emoções ao expor os erros e acertos de quem não entende o mundo, tampouco as consequências de seus atos. Além disso, Collodi critica severamente a injustiça pregada pela própria Justiça, bem como a ideia de que deixaremos de ser marionetes apenas quando nossa mente for alimentada pelo estudo e quando nosso coração se tornar bondoso e altruísta, afinal, não se perde nada em ser bom. Por isso, mesmo diante das piores dificuldades, devemos persistir, aprender com os erros e priorizar aquilo que realmente importa. Um dia, a recompensa vem.

Isso sem mencionar toda a questão social e o contexto histórico que a obra reflete: na época em que o livro foi escrito, a Itália estava passando por um processo de unificação e, consequentemente, dificuldades econômicas, o que é abordado na história, pois mesmo sendo muito pobre, Geppetto vende as próprias roupas para garantir que Pinocchio frequente a escola, mostrando o amor incondicional pela marionete. Outro detalhe é que as cores utilizadas na capa e nas ilustrações remetem à bandeira da Itália, mérito do @institutomojo que minuciosamente preservou a essência e a identidade desta obra, tornando-a uma das mais belas e especiais da minha estante.

Portanto, se tiver a oportunidade, adquira o seu exemplar em mojo.org.br ou então baixe gratuitamente o e-book disponibilizado em mojo.org.br/ebook/as-aventuras-do-pinocchio

Já tiveram a oportunidade de ler a obra original? Temos fãs (além de mim) do querido Pinocchio por aqui?

CLASSIFICAÇÃO: 

ÓTIMO!



04/02/2021

# Dica de Leitura # 262

Título: Como a gente vira gente
Subtítulo: As maravilhosas aventuras de Tito e Vópsi na terra da humanidade
Autora: Rosa Maria Mariotto
Número de páginas: 90
Ano: 2019
Editora: InVerso

* Exemplar cedido em parceria com a editora.

A aventura de se tornar avó de Tito rendeu à psicanalista, Rosa Maria Mariotto, uma série de postagens nas redes sociais: sob o pseudônimo de Vópsi, ela narra suas descobertas como avó e as de seu neTito, como novo integrante deste mundão maluco.

"A vinda do meu neTito foi sem preparo, sem roteiro, sem cálculo. Mas renovou minha curiosidade, meu encantamento e meu desejo pelas crianças nessa sensacional empreitada que é tornar-se alguém."

Por meio de situações cotidianas, ela apresenta uma espécie de diário sobre a jornada de formação de uma criança e como cada detalhe se torna essencial ao longo do processo da construção do "eu", trazendo referências teóricas de alguns estudiosos das áreas de psicologia e psicanálise, resultado de sua experiência profissional.

Fruto de uma diversão virtual e de uma relação que transborda os mais puros e verdadeiros sentimentos, no ano de 2019, todos os registros de Vópsi nas redes sociais acabaram se transformando neste obra, que permite ao leitor entender o porquê de algumas reações infantis a certos estímulos. Sem dúvida, uma excelente dica de leitura para mamães, papais, vovôs e vovós em formação. Um ponto muito positivo e extremamente curioso é que não apenas a Vópsi fala sobre o neto; Tito também tem vez e voz na narrativa, como se estivesse falando diretamente com o leitor sobre as coisas que faz, vê e ouve.

"E é de risco em rabisco que vou tecendo o desejo de aprender, me transformando em leitor e escritor da minha história, passando de contado a contador nessa aventura maluca que é se tornar gente!"

A única ressalva é que há trechos demasiadamente teóricos, o que acaba dificultando o entendimento por parte daqueles que são leigos no assunto. Creio que se houvesse um rodapé explicativo e um pouco mais didático acerca das teorias mencionadas pela autora no decorrer do livro, a leitura se tornaria muito mais envolvente para todos os públicos e faria com que muitas pessoas se identificassem mais com a obra.

No geral foi uma leitura bastante interessante e diferente, apesar de que esperava me envolver mais quando li a premissa pela primeira vez.

"E eu sigo em obras, me experimentando em várias versões..."

CLASSIFICAÇÃO: 

BOM!





27/01/2021

# Dica de Leitura # 261

Título: O maior queijo do mundo
Autora: Eliana Martins
Número de páginas: 23
Ano: 2020
Editora: Duna Dueto

* Exemplar cedido em parceria com a editora.

Em "O maior queijo do mundo", criado por @elianamartins_escriba e ilustrado por @adilsonfarias, vamos conhecer um ratinho guloso e inventivo que cresceu rodeado por livros. Todos as noites, quando olhava para o céu, avistava ao longe um queijo que, além de gigante, parecia muito saboroso. Mas como chegar até ele?

Pensou, pensou e traçou vários planos mirabolantes, até o dia em que juntou o acervo de sua pequenina biblioteca a fim de construir uma pilha tão alta que alcançasse o maior queijo do mundo. Será que ele vai conseguir?

Neste livro-imagem, no qual apenas ilustrações norteiam o leitor, a autora nos dá passe livre para contar e recontar a história, cada vez de um jeito diferente, permitindo ao leitor imaginar e criar as mais variadas hipóteses e teorias. É a primeira vez que tenho contato com um livro nesse estilo e devo confessar que ele me deixou sem palavras, literalmente! Sem dúvida vou guardar esse exemplar com o maior carinho para os meus filhos, pois tenho certeza que irá estimular a criatividade e a imaginação deles de uma forma única! Devo frisar que é um excelente material para ser trabalhado em escolas também! Então, se você é professor ou conhece alguém que seja, não deixe de indicar essa pequena grande obra que, além de estimular a inventividade e ampliar o vocabulário dos pequenos, traz uma belíssima mensagem sobre acreditar em nossos sonhos, não desistir e lidar com as nossas expectativas, afinal, elas podem não se concretizar, mas aqui vamos aprender que não há motivos para frustração, pelo contrário, às vezes é exatamente disso que precisamos para aprender a mudar a perspectiva do nosso olhar, assim como aconteceu com esse ratinho curioso que vai acabar descobrindo que o mundo é muito mais interessante do que parece. 

CLASSIFICAÇÃO: 

MUITO BOM!


18/01/2021

# Dica de Leitura # 260

Título: Tempo de reacender estrelas
Autora: Virginie Grimaldi
Número de páginas: 288
Ano: 2020
Editora: Gutenberg

* Exemplar cedido em parceria com a editora.

Alguma vez você já teve vontade de largar tudo?

Aos 37 anos, divorciada do marido e atolada em dívidas, Anna se desdobra para sustentar a casa trabalhando como garçonete, mas paga um preço muito alto por isso: a correria faz com que veja suas duas filhas apenas no café da manhã. 

E para piorar a situação, as garotas parecem não estar nada bem: sem um pingo de amor próprio, Chloé, aos 17 anos, está prestes a desistir de seus sonhos e por meio do seu blog vamos tendo uma noção dos dilemas que vem enfrentando, enquanto que Lily, aos 12, está passando por problemas bem sérios na escola, mas os únicos a saberem disso são o seu diário e o seu ratinho de estimação.

Ao se dar conta do abismo que a separa das filhas e o quão ausente tem sido nos últimos tempos, Anna toma uma decisão inesperada: levá-las em uma road trip a bordo de um motorhome rumo aos países escandinavos para realizar um sonho das três: ver a Aurora Boreal.

Mas será que esse tempo juntas vai melhorar ou agravar a relação entre mãe e filhas?

Com capítulos curtos, uma ambientação fascinante e original, além de abordar questões extremamente relevantes, tais como violência doméstica, bullying, síndrome do pânico, luto e autismo, Virginie Grimaldi conduz um enredo intercalado entre os pontos de vista da mãe e das filhas, dando um show à parte ao construir três vozes autênticas e distintas entre si, que você jura serem reais!

Um drama familiar encantador e bem construído que fala sobre os erros e acertos e os encontros e desencontros de uma família que vai aos poucos se redescobrindo e reacendendo a cumplicidade, o amor e o afeto que apesar de parecerem esquecidos, sempre estiveram ali. Uma leitura sensível, na qual prevalece uma bela mensagem sobre o que realmente importa na vida e que nunca é tarde para reacender as nossas estrelas e reavaliar nossas atitudes e escolhas.

Agora me conta: qual foi a decisão mais inusitada que você já tomou na vida? Ela surtiu o efeito esperado? Já conheciam esse livro? Me contem tudo nos comentários!

CLASSIFICAÇÃO: 

ÓTIMO!


21/12/2020

# Dica de Leitura # 259

Título: Sem lógica para o amor
Autora: Tracey Garvis Graves
Número de páginas: 320
Ano: 2020
Editora: Jangada

* Exemplar cedido em parceria com a editora.

"A vida não é fácil para ninguém. Todos nós temos desafios. Todos enfrentamos adversidades. É como as superamos que nos torna quem somos."

Alguma vez você já se sentiu deslocado?

É exatamente assim que Annika se sentiu a vida inteira. Portadora de TEA (Transtorno do Espectro Autista), a jovem apaixonada por xadrez sempre teve muita dificuldade para interagir socialmente, mas ao entrar para a universidade sua vida se modifica por completo: ela se vê obrigada a se adaptar à nova rotina, começando pela colega de quarto, Janice, que a entende como ninguém, passando pelo Clube de Xadrez e culminando em Jonathan, um rapaz em busca de um recomeço, que veio transferido de outra universidade e que possui a mesma paixão pelo xadrez que ela.

Entre uma partida e outra, os dois acabam se conhecendo melhor e o que era amizade acaba se transformando em uma belíssima história de amor, mas como a vida gosta de pregar peças, um trágico acontecimento acaba separando-os.

Dez anos se passam e eles acabam se reencontrando por acaso em um supermercado. Tudo indica que o destino se encarregou de colocá-los frente a frente outra vez para mostrar que a chama desse amor ainda está acesa e que se eles realmente quiserem viver essa história, precisarão enfrentar os fantasmas do passado, pois só assim construirão um novo futuro. Será que eles vão conseguir?

Quando soube desse lançamento, imaginei encontrar um romance clichê, mas acabei me deparando com uma verdadeira avalanche de emoções: um livro que conversa com o leitor nas linhas e entrelinhas, nos ensina a ser fortes, a nunca desistir e também que a empatia pode ser o melhor remédio.

Com uma dose certeira de realidade, a trama expõe o ponto de vista dos protagonistas e intercala entre passado e presente, o que nos ajuda a conhecer melhor as lutas de cada um e a compreender melhor os seus sentimentos.

Mais que um livro sobre reencontro, amadurecimento e superação, "Sem lógica para o amor" conscientiza sobre o autismo e mostra que há lugar para todos neste mundo.

Uma história sensível, de delicadeza ímpar, que entrou para a lista dos meus favoritos e tem tudo para entrar para a sua também!

CLASSIFICAÇÃO: 


ÓTIMO!